Exame de Espirometria

Este exame auxilia no diagnóstico da realização do exame médico clínico ocupacional.

Espirometria

Espirometria – É um teste que permite aferir o fluxo de ar nas vias aéreas ou nos brônquios, que são os responsáveis pelo transporte do ar para os pulmões, comparando os resultados obtidos com os de pessoas saudáveis que tenham a mesma idade. Este exame auxilia no diagnóstico da realização do exame médico clínico ocupacional.

A espirometria tem como indicação: a investigação de sintomas respiratórios (tosse, falta de ar), o diagnóstico e a avaliação de asma, a doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), a incapacidade funcional e a avaliação e diagnóstico de doenças respiratórias relacionadas ao trabalho.

O Ministério do Trabalho, através da “NR7 “, regulamentou a atenção médica que deve ser prestada aos funcionários de empresas que sofrem exposição de agentes nocivos ao trato respiratório. A espirometria (prova de função pulmonar), foi incluída como exame periódico para diagnóstico de disfunções ventilatórias restritivas ou obstrutivas, que possam afetar a saúde do colaborador.

Na admissão e demissão, a espirometria serve para confirmar o estado de saúde nestas fases e auxiliar quando houver suspeita de nexo casual, entre a doença respiratória e a exposição de agentes agressivos. A realização do exame pode ser anual ou bienal dependendo do tipo de risco que o colaborador está exposto:

  • POEIRAS: partículas sólidas, material orgânico/inorgânico resultante de moagem, lixamento, etc.
  • FUMOS: partículas de condensação de vapores metálicos após reação com oxigênio atmosférico, formando óxidos.
  • NÉVOAS (NEBLINAS): gotículas resultantes do arrastamento de um líquido por corrente de ar, por bolhas de gás ou condensação de líquido na atmosfera.
  • FUMAÇA: combustão de materiais orgânicos constituídos de mistura de gases e vapores, partículas e gotículas.

Não é necessário que a pessoa realize jejum para fazer a espirometria. Entretanto, fica proibido o consumo de chás, cafés ou bebidas alcoólicas cerca de 6 horas antes do início do exame, pois estas substâncias podem atrapalhar o resultado do diagnóstico. Em alguns casos o médico também irá orientar para que haja a suspensão de medicamentos. Broncodilatadores de curta ação, por exemplo, devem ser utilizados até 4 horas antes do exame. Já os broncodilatadores de ação prolongada devem ser utilizados até 12 horas antes do exame. Após este período o uso do medicamento fica proibido.